Visão Educa

Educação financeira para crianças: o que você pode fazer hoje?

A+ A- Baixar
PDF

Se você já ouviu dos seus pais ou disse para seus filhos algumas dessas frases: “na volta a gente compra”, “você acha que dinheiro dá em árvore?” ou então “está pensando que meu dinheiro é capim?”,  você precisa ler esse texto até o final. 

 

Muitas pessoas pensam que os assuntos financeiros da casa são responsabilidade apenas dos adultos e, na verdade, não é bem assim. As crianças podem (e devem) entender como funciona o orçamento doméstico e aprender desde cedo que economizar pode ajudá-las a realizar grandes sonhos no futuro.

 

Para muitos educadores financeiros, o melhor momento para falar sobre educação financeira é na infância, quando as crianças começam a pedir para comprar produtos e brinquedos. Porém, é muito comum que as pessoas considerem “dinheiro coisa de adulto” e com isso, afastem a criança desse recurso, que um dia fará parte da vida dela.

 

Portanto, é preciso deixar a criança manusear dinheiro, brincar de banco, de fazer compras, e até faça a gestão de uma mesada, para que ela se sinta mais confiante em relação aos assuntos financeiros no futuro.

Além disso, o orçamento não pode ser tabu no ambiente familiar. É importante, por exemplo, explicar o quanto se ganha e o quanto é preciso economizar todo mês para ter onde morar, o que vestir, o que comer e até como se divertir.

 

As crianças são muito mais espertas do que a gente imagina, mas elas não conseguem fazer certas associações do mundo adulto se você não explicar como funciona. Fale sobre a relação de troca entre trabalho e salário, explique que tudo o que você dá para ela é fruto de esforço e dedicação, etc.

Experimente dar uma quantia por semana ou por mês para que seu filho administre esse dinheiro.  Você também pode escolher alguns passeios para o seu filho administrar os gastos, assim ele vai sentindo na pele como é ter que escolher entre um lanche no parque ou um balão colorido.

 

É importante também ressaltar que imprevistos acontecem e quem poupa está sempre mais seguro. Essa lição é mais do que financeira, isso ensina a criança a ter metas e objetivos para toda a vida. Imagina que sentimento de realização tem uma criança que consegue comprar um brinquedo com as pequenas economias feitas ao longo do ano?

 

Confira cinco dicas básicas para orientar as crianças sobre educação financeira:

  • O melhor momento para introduzir o tema “dinheiro” é quando elas começam a contar. Deixe as crianças à vontade para contar ou empilhar moedas, agrupar e somar o dinheiro. Isso com certeza já vai ajudar na matemática.

  • A partir dos sete (7) anos a criança já entende o que é uma mesada e pode começar a gerenciar seu próprio dinheiro. Não é recomendável associar a mesada a boas notas porque estudar é responsabilidade da criança e ela deve entender que isso independe de recompensa.
  • As crianças precisam entender que não é só passar o cartão e pronto. É preciso explicar que depois vem o boleto para pagar. Aproveite para falar também o que são juros e que você tem que separar um dinheiro do orçamento só para o cartão.
  • Mostre maneiras de se organizar para gastar melhor e poupar para imprevistos e planos futuros. Para isso você pode usar cofrinhos com nomes diferentes e mostrar como é importante ter equilíbrio em todos os aspectos da vida.
  • As crianças devem entender que não dá para ter tudo na hora que se quer e às vezes é preciso juntar dinheiro por um tempinho e fazer sacrifícios para conseguir o que desejam.

Quanto mais cedo você ensinar bons hábitos financeiros para os pequenos, melhor eles lidarão com o dinheiro na vida adulta! Essa noção desde cedo contribui para a valorização dos recursos financeiros, bem como para as noções de consumo consciente e a importância de poupar para conquistar aquilo que se deseja.

dezembro de 2021

Deixe um comentário

Ou acesse com:




AllEscort